MIÓ DA ROÇA

Um pouco da história da Serra do Caparaó

O cultivo de café ocorre na região desde o século XVIII quando, com o fim da mineração nas Minas Gerais, o produto substituiu o ouro no processo de povoamento mineiro. A região da Zona da Mata Mineira, que incluía cidades como Carangola e Manhuaçu próximas ao Parque, tornou-se cafeicultora, atraindo a partir do final do século XIX imigrantes italianos, suíços, alemães, espanhóis e portugueses (UFMG, s/data). Porém, com o tempo, a terra foi sendo esgotada, a mão-de-obra foi escasseando, o café foi perdendo valor econômico e regiões mais férteis foram abertas ao seu cultivo. Com isso, a pecuária de leite sucedeu o café como atividade econômica predominante na região, até à volta do café em anos mais recentes, o qual predomina na época atual.

O MIÓ DA ROÇA SENDO COLHIDO

A colheita manual do Café Mió da Roça, é uma tradição nas montanhas, não só pelas declividades do terreno, mas também com uma pré-seleção dos grãos maduros para uma secagem homogênea nos terreiros suspensos.

A tradição de um bom cafezinho pode ser percebida por quem viaja para as Serras do Caparaó. Esta tradição milenar você pode agora trazida por CAFÉ EM CASA tê-la com todo conforto em qualquer parte do mundo.

Os grãos do Café Mió da Roça são todos selecionados e torrados com a técnica da maestrina Roberta Bazilli, QR grade em torra de cafés especiais